Das verdades que desmentimos, das mentiras em que acreditamos.

Eu sempre falo que a minha colunista Cristiane aparece pouco por aqui, mas quando aparece sempre vem com algo que faz a gente pensar e quase nos choca. Leia e interprete da sua maneira. Beijos, Dani

 

Das verdades que desmentimos, das mentiras em que acreditamos. 

 

 

“É muito solteiro apaixonado e muito casal fingindo que se ama.” Essa é mais uma daquelas frases engraçadinhas do Facebook que, brincando, diz umas boas verdades pra quem quiser entender.
E é engraçado como disfarçamos isso tudo muito bem: o universo dos solteiros está aí pra alardear o consumo, a efervescência da vida noturna, o glamour das viagens, as plumas e paetês de um mundo pontilhado de micro saias, descolorante capilar e pó bronzant, camisas justas, calças de marca e carros do ano.
 

O que ninguém mais quer ver: mulher bonita se vendendo por camarote na balada pra mostrar pro ex que, afinal, ela está muito melhor sozinha. Homem pagando uma de machão pros amigos quando, na verdade, queria estar bem longe da “mulher grude” que empurraram pra ele.
Em contrapartida, o mundo dos comprometidos traz a linda promessa do amor dedicado vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana. Dos aniversários de namoro regados a muito vinho importado, presentes caros e demonstrações públicas de afeto.

 

O que ninguém quer ver: cobranças infundadas, ciúmes acompanhados de grandes doses de insegurança e falta de confiança, ouro e brilhantes muito verdadeiros e “eu te amo´s” muito falsos. Ilusão demais, respeito de menos. Nada é cem por cento bom ou cem por cento ruim e todas as experiências são necessárias, afinal de contas, todo mundo quer ter história pra contar.
Digo isso porque muitas dessas coisas eu vi, e tantas outras eu vivi. Mas agora, cá entre nós, tiremos o dinheiro, as aparências e os expectadores disso tudo pra ver o que sobra.  

Cadê o espaço para os verdadeiros amigos, para as coisas simples da vida? Pro chopp baratinho do fim de semana, pra festa mixuruca cheia de gente que você gosta, pro beijo sincero de quem te quer bem, pra vontade de viver as coisas em vez de viver colocando nome nelas? “Só porque você acredita firmemente numa coisa não significa que ela seja verdadeira. Disponha-se a reexaminar aquilo em que acredita.”
O que essa frase tem a ver com isso tudo?
Simples: todos temos idéias pré-concebidas sobre tudo. Algumas advindas de nossas experiências – por vezes desastrosas- e tantas outras criadas por um mercado que ganha, e muito, com a nossa ignorância.
O fato é que distorcemos tudo: confundimos parceiros com amigos, performance sexual com satisfação, namorados com caixas 24 horas, solidão com liberdade, namoro com prisão. Alguns continuam namorando com aquela pessoa insuportável por comodismo, tantos outros sozinhos continuam a olhar de longe aquela pessoa especial por insegurança.
 

Senhor, dai coragem – e vergonha na cara – dessa gente (ah, eu, por vezes, também) que ainda ouve o que os outros dizem, que ainda teme sofrer de novo. E como já disse, minha ídola, Martha Medeiros: “Fazer do seu jeito – amores, moda, horários, viagens, trabalho, ócio – é uma maneira de ficar em paz consigo mesmo e, de lambuja, firmar sua personalidade, destacar-se da paisagem. Claro que não se deve lutar insanamente contra as convenções… Estão aí para facilitar nossa vida. Mas se não facilitam, outro jeito há de ter. Um jeito próprio de ser alguém, em vez de simplesmente reproduzir os diversos jeitos coletivos de ser mais um.”

 

 

“Muitas opções e pouco foco.
Essa sou eu… 
Até descobrir, por fim, pra que lado vou..”.
A Cristine Hansen é uma consultora de moda e estiloapaixonada por música e vocês vão acompanhar as aventuras dela aqui no blog!
A Cris comanda o http://praqueladovou.blogspot.com/! 

10 ideias sobre “Das verdades que desmentimos, das mentiras em que acreditamos.

    • Aline,
      Que legal!
      Eu não vi o compartilhamento, me marca nele :))

      beijos e volte sempre!

  1. Pingback: Das verdades que desmentimos, e das mentiras que acreditamos…. « Camila

  2. mandou beeeem Cris ! Adoro seus textos ! Mas é bem assim mesmo: a maioria das pessoas namoram por status e não pelo sentimento que está fazendo bem ou não sabe. Preferem agradar os outros do que elas mesmas.

    • Verdade, “agradar os outros”.

      A Cris é ótima, já disse que ela deveria fazer um livro!
      hehehehe

      beijos e obrigada pela vista Tati!

  3. Pingback: Mood Board #105: Tangerine Tango + Tiffany Blue | Limn & Lovely | Daily Wedding Inspiration

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>